img_Header_logo

"É bom que você entenda que arte - e aqui me refiro especificamente à música - não é uma questão de gosto. Temos de exercitar nossa compreensão, ou seja, é preciso que nosso entendimento emocional seja bem desenvolvido, através da nossa sensibilidade"

Olmir Stocker "Alemão"

Grupo Medusa

Grupo Medusa
Após o lançamento do disco, realizaram diversas apresentações pelo Brasil tocando também no 3º Festival de Jazz em Paris, em 1982.

A produção musical em nosso país marcou uma época com os selos fonográficos independentes, destacando entre eles o ”Som da Gente” criado por Walter Santos e Tereza Souza, lançando mais de 40 álbuns (em vinil) de 1981 até 1992 com artistas da cena musical brasileira… alguns álbuns foram lançados com transcrições de músicas incluidas no disco…

Os álbuns eram gravados geralmente no ”Nosso Estúdio” (SP) pelo selo ”Som da Gente”, que foi um marco durante o período de existência em gravação, lançamento e distribuição de discos importantes para a história da música no Brasil, entre outros posso citar os álbuns de Hermeto Pascoal, Cama de Gato, Roberto Sion, Grupo D´Alma, Nelson Ayres, Tetê Espindola, Hélio Delmiro e do Grupo Medusa que comento aqui.

O Grupo Medusa gravou dois discos com formações clássicas: a primeira formação no início da década de 1980, contava com Amilson Godoy (piano), Heraldo do Monte (guitarra, bandolim e violão), Cláudio Bertrami (contrabaixo) e Chico Medori (bateria e percussão). Em 1981, o “Grupo Medusa” lançou o LP de mesmo nome com composições do saudoso baixista Cláudio Bertrami, nas faixas “Baiana”, “Zeby”, “Caminhos” e “Ponto de Fusão”. Outro destaque neste álbum são as músicas do baterista Chico Medori: “Medusa” e “Pé no chão”, além de “Asa Delta” e “Uma Viagem” em parceria com Bertrami. A gravação do disco contou com as participações de Theo da Cuíca e Jorginho Cebion na percussão.

Após o lançamento do disco, realizaram diversas apresentações pelo Brasil tocando também no 3º Festival de Jazz em Paris, em 1982.

O grupo lançou em 1983, o LP ”Ferrovias” em nova formação com Amilson Godoy (piano), Olmir Stocker ”Alemão” (guitarra e violão), Cláudio Bertrami (contrabaixo), Chico Medori (bateria e percussão) e Theo da Cuíca (percussão)nas faixas “Fantasia”, “Cheiro Verde”, “Picadeiro” e “Beija-flor” de Cláudio Bertrami, “Aduba-Lé”, “Pouso em Congonhas” e ”Ferrovias” de Chico Medori, “Nordestina” composição do guitarrista Olmir Stocker, além de “Lamentos” de Pixinguinha e Vinicius de Moraes. O disco contou com a participação especial de Dominguinhos no acordeon.

O álbum ”Ferrovias” despertou ainda mais meu interesse sobre ”o Medusa”, recordo quando assisti a vídeo-aula de Chico Medori em 2001…onde também estão registrados  momentos raros do grupo com o baixista Cláudio Bertrami, que podemos ver nos videos a seguir





Compartilhe!
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Johnny Dionysio

Johnny Dionysio

Músico, nascido em Curitiba, Paraná. Teve seu primeiro contato com a percussão aos cinco anos de idade, em fanfarras nos tempos de colégio. Em sua formação cursou: teoria musical, bateria, guitarra, percussão sinfônica, prática de banda e orquestra com Paulo Bettega, Azael Rodrigues, Belmiro Jorge, Grupo Pau Brasil, Carmo Bartoloni, Grupo de Percussão da Embap, Ney Rosauro, Nenê, Roberto Gnatalli e Orquestra de Mpb, além de clínicas e cursos com Jimmy Duchowny, Gregg Bissonette, Duda Neves, Joe Moghrabi, Rod Morgenstein, Zé Eduardo Nazário, Kenny Aronoff, André Christovam, Kenwood Dennard e Scott Henderson.

Converse com a gente!

Envie sua mensagem, crítica, sugestão ou elogio.

© 2009/2019 BIM | Brazilian Instrumental Music – Todos os direitos reservados.

É proibida a cópia ou reprodução total/parcial do conteúdo do site, não importa a mídia, sem autorização prévia da direção.