img_Header_logo

"É bom que você entenda que arte - e aqui me refiro especificamente à música - não é uma questão de gosto. Temos de exercitar nossa compreensão, ou seja, é preciso que nosso entendimento emocional seja bem desenvolvido, através da nossa sensibilidade"

Olmir Stocker "Alemão"

Discos de cabeceira: McCoy Tyner “Fly With The Wind”

Essa bolacha está entre os 10 melhores discos que já ouvi.

Essa bolacha está entre os 10 melhores discos que já ouvi. McCoy Tyner é um dos mais espetaculares pianistas de Jazz. Participou ativamente do cenário do Jazz tocando com John Coltrane.O quarteto composto por John Coltrane, saxofone, Tyner ao piano, Jimmy Garrison no baixo e Elvin Jones na bateria é um dos mais famosos na história do jazz. Este grupo é ainda o mais emblemático na figura de Jazz Modal. Pais do Free Jazz? Sim.

Neste trabalho, McCoy apresenta composições maravilhosas acompanhado de Orquestra, junto a Billy Cobham, Ron Carter, Hubert Laws e Guilherme Franco.Billy Cobham, em plena forma, se destaca no trabalho com uma de suas mais intensas performances que já ouvi. Estava com “a macaca”, rs, quebrou tudo e com vontade, tinindo. A música de abertura “Fly With The Wind” é uma das mais maravilhosas composições que já ouvi, no meu ponto de vista, é claro, gosto muito. Mando mais abaixo.

Nessa resenha, nesta crônica, destaco o tema “Salvadore de Samba”.A composição começa com Guilherme Franco, que tive o prazer de conhecer e de tocar junto em seu grupo de percussão “Pé de Boi” em Nova York nos anos 80. Um arraso no pandeiro, dando brasilidade na composição

Billy Cobham mostra um vocabulário de Samba, Jazz Samba, nunca antes ouvido com tamanha grandeza técnica. Podem chamar até de “samba de gringo” e no prisma da interpretação, é nosso Samba sim, fruto de seus estudos certamente tendo ouvido Airto Moreira, Edson Machado entre outras cobras de nossa Bateria Brasileira. Billy Cobham sempre se destacou por sua vitalidade técnica e interpretação autêntica, tendo sido responsável por uma nova linguagem da Bateria, desde os tempos das gravações de vários artistas da CTI Records, passando pela Mahavishnu Orchestra e tendo vários trabalhos solos

Tyner e Cobham se completam nesse trabalho com muita garra, intensidade e mostrando toda a autenticidade de sua Música. Basta ouvir: os dois tem uma identidade original, característica.Amigos leitores, esse trabalho me marcou bastante e, até hoje, considero um dos mais belos trabalhos de Música. Hubert Laws na flauta, divino. E segura o Billy Cobham aí, gente!

Compartilhe!
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Duda Neves

Duda Neves

Nascido Eduardo Augusto Neves, em 5 de Novembro de 1953 em São Paulo, Capital, é reconhecido pela crítica especializada e pelo público em geral, como um de nossos melhores instrumentistas. A revista francesa “Jazz Hot” o apontou em 1990 como um dos melhores bateristas de Jazz do mundo e a revista “Bizz” como um de nossos melhores bateristas. Toca Bateria profissionalmente desde os 12 anos de idade já tendo trabalhado com Simone, Belchior, Fábio Jr., Jorge Benjor, Tetê Espíndola, Tim Maia, João Donato, Edu Lobo, Arrigo Barnabé entre outros. Morou em Nova York nos Estados Unidos na década de 80 onde tocou com grandes nomes do Jazz como Charlie Rouse, Don Salvador, Dom Um Romão, Nana Vasconcelos, Raul de Souza, Guilherme Vergueiro, Márcio Montarroyos, entre outros.

Converse com a gente!

Envie sua mensagem, crítica, sugestão ou elogio.

© 2009/2019 BIM | Brazilian Instrumental Music – Todos os direitos reservados.

É proibida a cópia ou reprodução total/parcial do conteúdo do site, não importa a mídia, sem autorização prévia da direção.