img_Header_logo

"É bom que você entenda que arte - e aqui me refiro especificamente à música - não é uma questão de gosto. Temos de exercitar nossa compreensão, ou seja, é preciso que nosso entendimento emocional seja bem desenvolvido, através da nossa sensibilidade"

Olmir Stocker "Alemão"

Elis Regina , Luizão Maia e o jovem Sizão Machado.

Nos meus tempos de moleque, a gente jogava bola na rua, bem na frente da garagem da casa do Dudu, que na época era amigo do meu primo, na rua Francisco Leitão em Pinheiros.  Tocávamos Beatles sentados na calçada e o tal Dudu (eu não sabia, mas ele era músico),  ficava ali, como quem não tava nem aí, coisa e tal…

Passado algum tempo, já profissa, estava tocando numa montagem paulistana da célebre peça de teatro de Chico Buarque e Paulo Pontes, “Gota d’água”, no então Teatro Aquarius, na Rui Barbosa.   Uma noite dessas, no meio do intervalo, me apareceu um cara querendo falar comigo e tive a sensação de que o conhecia.   Pois era o tal Dudu, o Portes!! Veio maneiro me sondando e me convidou pra “fazer um som lá com a gente, com o Mariano“…

Como não tinha nada a perder, topei a parada e no dia seguinte estava eu na porta de uma casa na rua Minas Gerais, tocando a campainha.  Fui de busão, com o meu baixinho Baldwin que tinha um case pesado paca.  Atendeu a porta um cara serião, de ray-ban,  “Fala bicho…”  e ficou me olhando meio sem paciência.  Eu, já com zero falei,  “vim a convite do Dudu pra fazer um som com vocês”… “então entra aí, bicho…”.  Esse cara era o tal Mariano, o Cesar!!!

Estavam tocando já, me olharam meio assim, liguei o baixo num Duovox enorme e saí lendo a mão do guitarrista Natan Marques (não sabia ainda quem ele era).  Ah, o meu anfitrião, o Dudu não estava lá!  Dá pra imaginar minha situação!  Ninguém falava comigo, tocavam uns temas deles que, evidentemente, eu não conhecia e assim passamos a tarde, até o Mariano me perguntar: “você vem amanhã, bicho?”  Eu respondi: “Claro, venho sim!”  Dia seguinte, mais apavorado ainda, volto lá e dou de cara com Elis Regina!!!  Pensei:   “Putz!  A casa caiu…”

Saímos tocando músicas do repertório dela que eu conhecia por causa das linhas de baixo do Luizão, que já tinha transcrito todas!

Em dado momento ela disse:  “Tu gosta mesmo  do Luizão, né moleque?!”  Respondi que sim e ela perguntou:  ” Tu conhece ele?” Eu:  “Ainda não tive a honra”.  E ela:  “Pois tu vai conhecer!”  Assim foi o meu começo no grupo César Mariano & Cia. acompanhando Elis Regina em turnê pelo Brasil e Europa, é mole!!!  Falando em Luizão, abaixo no vídeo vai  uma “linha” dele que me virou a cabeça nessa época e que meu deu sorte pra pegar a gig!!!

Curtam aí que vale a pena!

Compartilhe!
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Sizão Machado

Sizão Machado

Criador de uma linguagem musical única, que vai muito além do universo de seu instrumento, o contrabaixista Sizão Machado é reconhecido nacional e internacionalmente, por suas atuações ao lado de Chet Baker, Herbie Mann, Elis Regina, Cesar Camargo Mariano, Jim Hall, Chico Buarque, Dori Caymmi, Djavan, Milton Nascimento, Dionne Warwick, Ivan Lins, Joyce, Guilherme Vergueiro, Flora Purim & Airto Moreira, Roberto Menescal, Noite Ilustrada, Jean & Paulo Garfunkel, Família Jobim, Paulo César Pinheiro, Heraldo do Monte, Paul Winter, Hendrick Merkins e muitos outros, imprimindo sempre sua marca por onde toca.

Converse com a gente!

Envie sua mensagem, crítica, sugestão ou elogio.

© 2009/2019 BIM | Brazilian Instrumental Music – Todos os direitos reservados.

É proibida a cópia ou reprodução total/parcial do conteúdo do site, não importa a mídia, sem autorização prévia da direção.