img_Header_logo

"É bom que você entenda que arte - e aqui me refiro especificamente à música - não é uma questão de gosto. Temos de exercitar nossa compreensão, ou seja, é preciso que nosso entendimento emocional seja bem desenvolvido, através da nossa sensibilidade"

Olmir Stocker "Alemão"

Sobre um homem-músico chamado John Mclaughlin

Há muito o inglês nascido na cidade de Doncaster na pequena Aldeia de Yorkshire, Inglaterra deixou de ser o homem que foi descoberto por Miles Davis, participou de toda a ascensão do Jazz Fusion tocando com outros baluartes da cena como Armando Anthony Corea, Josef Zawinull, Wayne Shorter, Herbie Hancock entre outros e creio piamente que isso todo mundo sabe.

É sabido também que foi o criador da Orquestra Mahavishnu, gerando o conceito de super banda do jazz fusion, foi o primeiro violonista a flertar com a música indiana criando o Shakti um quarteto acústico com músicos indianos que simplesmente tecia um mosaico de escala indiana sobre o conceito da improvisação do jazz.

O que tento escrever nesse pequeno texto que o homem John Mclaughlin há muito deixou esse rótulo do guitarrista mais veloz do cenário fusionista, do músico que promoveu o primeiro encontro dos espíritos no elemento acústico do violão com Larry Coryell, Paco de Lucia, Al Dimeola, tocou por essa Terra chamada Brasil em 78,79.80,90,92 senão me falha essa memória cheia de som.

John Mclaughlin aos 75 anos nunca precisou provar nada, ele simplesmente virou a música plena de um homem cheio de convicção do seu propósito que apenas emprega um instrumento feito de madeira, tecnologia e seis cordas para se comunicar com o mundo através do seu som e da sua música.

Música composta e dedicada ao
Paco de Lucia
Turnê de 2017 – completo.

Compartilhe!
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Mauro Wermelinger

Mauro Wermelinger

Deu-se o processo de iniciação… Da vida com computadores na década de 80, até o presente momento, o autor nunca parou de divulgar a tão criativa década de 70 e as suas formas estéticas. Com a máquina Olivetti Lettera 22, presenteada pelo seu avô, Trajano Brandão,que os anos 70 foram contados dessa forma em textos, ensaios, crônicas, ficha técnica e tudo isso permeado com discos, fita cassete, do analógico ao digital, sua visão sobre os anos 70. Hoje com advento da Internet e mais o editor de texto do word, a situação ficou melhor.

Converse com a gente!

Envie sua mensagem, crítica, sugestão ou elogio.

© 2009/2019 BIM | Brazilian Instrumental Music – Todos os direitos reservados.

É proibida a cópia ou reprodução total/parcial do conteúdo do site, não importa a mídia, sem autorização prévia da direção.